A enfermagem na manutenção do potencial doador de órgãos na unidade de terapia intensiva: revisão integrativa

Autores

  • Jane Almeida Nobre janenobre2014@outlook.com
  • Karina Elias karinaelias96@gmail.com
  • Priscila de Oliveira Fortes pris.fortes2014@gmail.com
  • Clayton Gonçalves de Almeida clayton.almeida@prof.uniso.br
  • Leandro Aparecido de Souza leandro.souza@prof.uniso.br

DOI:

10.24281/rremecs2022.7.12.3-10

Palavras-chave:

Doadores de Tecidos e Órgãos, Unidade de Terapia Intensiva, Morte Encefálica

Resumo

Compreender qual é o papel da enfermagem na manutenção e efetividade do potencial doador de tecidos e órgãos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Estudo de revisão integrativa da literatura com artigos em português e referentes aos anos de 2016 a 2021 nas bases de dados MEDLINE, LILACS e BDENF. Para a construção da pesquisa foram analisados 16 artigos relacionados ao critério de inclusão. Na grande maioria dos casos os órgãos ou tecidos utilizados para transplantes, são de pessoas falecidas e boa parte vem de doadores com diagnostico de morte encefálica. Neste contexto a equipe de enfermagem e as unidades de terapia intensiva (UTI) se fazem de grande notoriedade para que o manejo e um efetivo cuidado ao potencial doador. A importância do conhecimento técnico-científico da equipe de enfermagem para condutas efetivas na identificação de morte encefálica e manejo desse paciente.

Descritores: Doadores de Tecidos e Órgãos, Unidade de Terapia Intensiva, Morte Encefálica.

 

Nursing in the maintenance of the potential organ donor in the intensive care unit: integrative review

Abstract: To understand the role of nursing in the maintenance and effectiveness of potential tissue and organ donors in the Intensive Care Unit (ICU). Study of integrative literature review with articles in Portuguese and referring to the years 2016 to 2021 in MEDLINE, LILACS and BDENF databases. For the construction of the research, 16 articles related to the aforementioned inclusion criteria were analyzed. In most cases the organs or tissues used for transplants are from deceased people and most come from donors diagnosed with brain death. In this context, the nursing staff and the intensive care units (ICU) are of great notoriety for the management and effective care of the potential donor. The importance of the nursing team's technical-scientific knowledge for effective conduct in identifying brain death and managing this patient.

Descriptors: Tissue and Organ Donors, Intensive Care Unit, Brain Death. 

 

Enfermería en el mantenimiento del potencial donante de órganos en la unidad de cuidados intensivos: revisión integradora

Resumen: Comprender el papel de la enfermería en el mantenimiento y efectividad de los potenciales donantes de tejidos y órganos en la Unidad de Cuidados Intensivos (UCI). Estudio de revisión integradora de la literatura con artículos en portugués y referidos a los años 2016 a 2021 en las bases de datos MEDLINE, LILACS y BDENF. Para la construcción de la investigación se analizaron 16 artículos relacionados con los criterios de inclusión. En la mayoría de los casos, los órganos o tejidos utilizados para los trasplantes provienen de personas fallecidas y la mayoría provienen de donantes diagnosticados con muerte cerebral. En este contexto, el personal de enfermería y las unidades de cuidados intensivos (UCI) son de gran notoriedad para el manejo y cuidado efectivo del potencial donante. La importancia del conocimiento técnico-científico del equipo de enfermería para una actuación eficaz en la identificación de la muerte encefálica y el manejo de este paciente.

Descriptores: Donantes de Tejidos y Órganos, Unidad de Terapia Intensiva, Muerte Cerebral.

Referências

Silva FAA, Cunha DSP, Lira JAC, Ribeiro JF, Campelo GVS, Nunes BMVT. Morte encefálica e manutenção de órgãos: conhecimento dos profissionais intensivistas. Rev enferm UFPE online. 2018; 12(1):51-8.

Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 2.173, de 23 de novembro de 2017. Define os critérios do diagnóstico de morte encefálica. Diário oficial da união.

Eira CS, Barros MI, Albuquerque AM. Doação de órgãos: a realidade de uma unidade de cuidados intensivos portuguesa. Rev Bras Ter Intensiva. 2018; 30(2):201-207.

Senna CVA, Martins T, Knihs NS, Magalhães ALP, Paim SMS. Fragilidades e potencialidades vivenciadas pela equipe de saúde no processo de transplante de órgãos: revisão integrativa. Rev Eletr Enferm. 2020; 22:58317.

Sindeuax, ACA, Nascimento AMV, Campos JREC, Campos JBR, Barros AB, Luz DCRP. Cuidados de enfermagem dispensados ao potencial doador de órgãos em morte encefálica: uma revisão integrativa. Rev Nursing. 2021; 24(272):5134-5140.

Magalhães ALP, Oliveira RJT, Ramos SF, Lobato MM, Knihs NS, Silva EL. Gerência do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica. Rev Enferm UFPE Online. 2019; 13(4):1124-32.

Conselho Federal de Enfermagem - COFEN. Resolução nº 611/2019. Atualiza a normatização referente à atuação da Equipe de Enfermagem no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-611-2019_72858.html>. Acesso em 7 nov 2021.

Costa CR, Costa LP, Aguiar N. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev Bioét. 2016; 24(2):368-73.

Silva HB, Silva KF, Diaz CMG. A enfermagem intensivista frente à doação de órgãos: uma revisão integrativa. Rev Fund Care Online. 2017; 9(3):882-887.

Magalhães ALP, Erdmann AL, Sousa FGM, Lanzoni GMM, Silva EL, Mello ALSF. Significados do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica potencial doador. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e2017-0274.

Carneiro BV, Garcia GH, Isensee LP, Besen BA. Otimização de condições para teste de apneia em paciente hipoxêmico com morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva. 2019; 31(1):106-110.

Ludwig EFSB, Pereira MCA, Martinez YDE, Mendes KDA, Rossaneis MA. Protótipo de escala informatizada para busca ativa de potenciais doadores de órgãos. Rev Latino Am Enferm. 2017; 25:e2930.

Moura KDO, Fernandes FECV, Lira GG, Fonseca EOD, Melo RA. Prevalência e fatores associados ao diagnóstico de morte encefálica. Rev Enferm UFSM. 2021; 11:1-15.

Bedenko RC, Nisihara R, Yokoi DS, Candido VM, Galina I, Moriguchi RM, et al. Análise do conhecimento da população geral e profissionais de saúde sobre doação de órgãos após morte cardíaca. Rev Bras Ter Intensiva. 2016; 28(3):285-293.

Alves NCC, Oliveira LB, Santos ADB, Leal HAC, Sousa TMF. Manejo dos pacientes em morte encefálica. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(4):953-61.

Cordeiro TV, Knihs NS, Magalhães ALP, Barbosa SFF, Paim SMS. Fragilidades do conhecimento das equipes de unidades de críticos relacionadas ao processo de doação de órgãos e tecidos. Cogitare Enferm. 2020; 25:e66128.

Cesar MP, Camponogara S, Cunha QB, Pinno C, Girardon-Perlini NMO, Flores CL. Percepções e experiências de trabalhadores de enfermagem sobre o cuidado ao paciente em morte encefálica. Rev Baiana Enferm. 2019; 33:e33359.

Westphal GA, Garcia VD, Souza RL, Franke CA, Vieira KD, Birckholz VR, et al. Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva. 2016; 28(3):220-255.

Publicado

30-06-2022
Métricas
  • Visualizações 0
  • pdf downloads: 0

Como Citar

NOBRE, J. A. .; ELIAS, K.; FORTES, P. de O. .; ALMEIDA, C. G. de .; SOUZA, L. A. de . A enfermagem na manutenção do potencial doador de órgãos na unidade de terapia intensiva: revisão integrativa. Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Cientí­ficos em Saúde, [S. l.], v. 7, n. 12, p. 3–10, 2022. DOI: 10.24281/rremecs2022.7.12.3-10. Disponível em: https://revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/812. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos