A comédia como ferramenta para o tratamento da depressão

Autores

  • Henrique Larenas Faria henriquelarenasfaria@gmail.com
  • Wesley Kaique Silva wsl.kaique@outlook.com

DOI:

10.24281/rremecs2022.7.12.63-74

Palavras-chave:

Comédia, Depressão, Felicidade, Psicologia

Resumo

A depressão pode ser definida como uma patologia psiquiátrica de etiologia multifatorial atrelada à incapacidade funcional e comprometimento da saúde física, possuindo uma sintomatologia de ordem psíquica, fisiológica e comportamental, com presente sensação de tristeza e aparente perda da capacidade se sentir alegria ou prazer na vida pela presente alteração hormonal presente nesta condição e assim, desta forma, visto que nosso organismo quando submetido à expressão da alegria causada pela risada gerada através da expressão da comédia, acaba, por sua vez, produzindo a 5-HT, endorfinas e hormônios que reduzem a liberação de cortisol e adrenalina, ambos envolvidos na resposta ao estresse, se faz necessário estudar as diversas técnicas de humor e atrelar tais respostas como poderosas ferramentas a ser utilizadas nos processos psicoterapêuticos de forma a auxiliar no tratamento da depressão, sendo substitutos eficazes da intervenção medicamentosa, como no caso dos ISRS. 

Descritores: Comédia, Depressão, Felicidade, Psicologia.

 

Comedy as a tool for the treatment of depression

Abstract: Depression can be defined as a psychiatric pathology of multifactorial etiology linked to functional incapacity and impairment of physical health, having a psychological, physiological and behavioral symptomatology, with a present feeling of sadness and apparent loss of the ability to feel joy or pleasure in life. by the present hormonal alteration present in this condition and thus, in this way, since our organism, when subjected to the expression of joy caused by the laughter generated through the expression of comedy, ends up, in turn, producing 5-HT, endorphins and hormones that reduce the release of cortisol and adrenaline, both involved in the stress response, it is necessary to study the various techniques of humor and link such responses as powerful tools to be used in psychotherapeutic processes in order to assist in the treatment of depression, being effective substitutes for intervention. medication, as in the case of SSRIs.

Descriptors: Comedy, Depression, Happiness, Psychology. 

 

La comedia como herramienta para el tratamiento de la depresión

Resumen: La depresión se puede definir como una patología psiquiátrica de etiología multifactorial ligada a la incapacidad funcional y deterioro de la salud física, con sintomatología psicológica, fisiológica y conductual, con sentimiento presente de tristeza y pérdida aparente de la capacidad de sentir alegría o placer en la vida. por la alteración hormonal presente presente en esta condición y así, de esta forma, ya que nuestro organismo, al ser sometido a la expresión de alegría provocada por la risa generada a través de la expresión de la comedia, termina, a su vez, produciendo 5-HT, endorfinas y hormonas que reducen la liberación de cortisol y adrenalina, ambas involucradas en la respuesta al estrés, es necesario estudiar las diversas técnicas del humor y relacionar dichas respuestas como poderosas herramientas a ser utilizadas en procesos psicoterapéuticos para auxiliar en el tratamiento de la depresión , siendo sustitutos efectivos de la medicación de intervención, como en el caso de los ISRS.

Descriptores: Comedia, Depresión, Felicidad, Psicología.

Referências

Pereira LGG. Depressão, o mal do século XXI: possíveis diagnósticos e tratamentos. Belo Horizonte: UFMG. 2015.

Porto JAD. Conceito e diagnóstico. Rev Bras Psiquiatr. 1999; 21:6-11.

Moreno RA, Moreno, DH, Soares MBM. Psicofarmacologia de antidepressivos. Rev Bras Psiquiatr. 1999; 21.

Veloso LO. Serotonina N-acetiltranferase: um estudo bioinformático. Ituiutaba: Universidade Federal de Uberlândia. 2018.

Silva DK, Andrade FMD. Farmacogenética de inibidores seletivos de recaptação de serotonina: uma revisão. Rio Grane do Sul: Instituto de Ciências da Saúde. 2007.

Rossi L, Castro IA, Tirapegui JU. Suplementação com aminoácidos de cadeia ramificada e alteração na concentração da serotonina cerebral. São Paulo: Rev Soc Bras Alim Nutr. 2003; 26:1-10

Pinto AFC. Neurobiologia dos comportamentos aditivos. Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. 2013.

Joca SRL, Padovan CM, Guimarães FS. Estresse, depressão e hipocampo. Rev Bras Psiquiatr. 2003; 46-51.

Lage. JT. Neurobiologia da Depressão. Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. 2010.

Lima IVM, Sougey EB, Filho HPV. Farmacogenética do tratamento da depressão: busca de marcadores moleculares de boa resposta aos antidepressivos. Rev Psiq Clin. 2004; 31(1):40-43.

Lima, MSD. Tratamento Farmacológico da distimia: avaliação crítica da evidência científica. Rev Bras Psiquiatr. 1999; 21 (2).

Scalco MZ. Tratamento de idosos com depressão, utilizando tricíclicos, IMAO, ISRS e outros. Rev Bras Psiquiatr. 2002; 24:55-63.

Diniz JP, Neves SÃO, Vieira ML. Ação dos Neurotransmissores Envolvidos na Depressão. Ensaios. 2020; 24:437-443.

Leite. AA. Depressão. Brasília: UniCEUB. 2002.

Videira IMMA. Efeitos da risoterapia no humor e na felicidade dos profissionais da saúde. Instituto Politécnico de Viseu. 2016.

Lemos R. Rir é o melhor remédio. Coimbra: Rev Saúde Infantil Hospital Pediátrico de Coimbra. 2001; 23:53-57.

Bergson H. O Riso: ensaio do significado da comunicação. São Paulo: Grupo Editorial Record. 1947.

Foucault M. As palavras e as coisas. Rio de Janeiro: Forense. 1990.

Travaglia LC. Uma introdução ao estudo do humor pela lingüística. São Paulo: Rev Documentação Estudos Linguística Teórica e Aplicada. 1990; 6:55-82.

Freud S. Os chistes e a sua relação com o inconsciente. São Paulo: Imago. 1905; 8.

Garcia DTR, Silva JG, Vaz AC, Filocomo FRF, Filipini SM. A influência da terapia do riso no tratamento do paciente pediátrico. Vale do Paraíba: XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação. 2009.

Bispo CF, Freire FDST. Modificações fisiológicas através do riso na interação fisioterapeuta-paciente. Fisioterapia Brasil. 2005; 6(6): 457-461.

Guyton AC, Hall JE. Fisiologia Humana e mecanismos das doenças. Rio de Janeiro: Guanabara. 1998; 330-535.

Capela RC. Riso e bom humor que promovem a saúde. Rev. Simbio-Logias. 2011; 4(6).

Macedo M, Sirghi V. Benefícios das intervenções de Enfermagem indutoras do riso e do humor em pessoas submetidas a hemodiálise. Barcarena: Escola Superior de Saúde Atlântica. 2019.

Publicado

30-06-2022
Métricas
  • Visualizações 0
  • pdf downloads: 0

Como Citar

FARIA, H. L. .; SILVA, W. K. . A comédia como ferramenta para o tratamento da depressão. Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Cientí­ficos em Saúde, [S. l.], v. 7, n. 12, p. 63–74, 2022. DOI: 10.24281/rremecs2022.7.12.63-74. Disponível em: https://revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/806. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos