Acompanhamento terapêutico e o sofrimento psíquico em uma instituição psiquiátrica de longa permanência

Autores

  • Aparecida Bueno Fernandes psyqueabf@gmail.com
    Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE Cotia

Palavras-chave:

Acompanhamento Terapêutico, Acolhimento, Humanização

Resumo

O acompanhamento terapêutico (AT) como modalidade clínica surgiu há algumas décadas na Europa, sobretudo na Inglaterra, Itália e França, após movimentos que passaram a questionar alguns paradigmas psiquiátricos nesses países e também da introdução de novas modalidades de psicoterapia nos EUA. Na América Latina, a Argentina foi um dos países pioneiros a introduzir o AT, no início da década de 70, com a experiência de psicanalistas que atuavam em hospitais psiquiátricos, assumindo a posição de agentes de saúde. Essa postura possibilitou a criação de uma nova função, denominada inicialmente de auxiliar psiquiátrico que, por sua vez, tornou-se o embrião do que mais tarde se denominou “amigo qualificado”, termo esse que sofreu mudanças, chegando ao utilizado atualmente: acompanhante terapêutico (at*).

Publicado

28-05-2022
Métricas
  • Visualizações 0
  • pdf downloads: 0

Como Citar

FERNANDES, A. B. . Acompanhamento terapêutico e o sofrimento psíquico em uma instituição psiquiátrica de longa permanência. Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Cientí­ficos em Saúde, [S. l.], p. 20, 2022. Disponível em: https://revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/801. Acesso em: 11 ago. 2022.