Diagnóstico de esclerose múltipla por ressonância magnética

Vivaldo Medeiros Santos

Resumo

Analisar Este estudo tem o objetivo de apresentar as características, particularidades e aplicações variadas do exame de ressonância magnética no diagnóstico da esclerose múltipla (EM), apresentando suas vantagens e desvantagens no diagnóstico diferencial destas afecções. Está delineado pela proposta de uma pesquisa embasada nos pressupostos da revisão da literatura. Com isso, utilizou para análise estudos que tenham sido publicados em periódicos nacionais e internacionais, indexados em base de dados como BIREME e SCIELO, que tenham como enfoque principal a questão que envolve os critérios para a importância da ressonância magnética como método diagnóstico. Com o resultado da pesquisa foi possível concluir que o papel do diagnóstico por imagem na investigação da EM se mostra de muita importância, visto que apenas com a investigação clínica não é possível ter a certeza desta patologia se mostrando, então, como um importante instrumento auxiliar na detecção dos estágios iniciais e avançados da doença, permitindo a visualização das imagens e dos processos inerentes à patologia em questão.

Descritores: Ressonância Magnética, Esclerose Múltipla, Diagnóstico.

 

Diagnosis of multiple sclerosis by magnetic resonance imagingAbstract: This study aims to present the characteristics, particularities and varied applications of magnetic resonance imaging in the diagnosis of multiple sclerosis (MS), presenting its advantages and disadvantages in the differential diagnosis Of these affections. It is delineated by the proposal of a research based on the assumptions of the literature review. Thus, studies that have been published in national and international journals, indexed in databases such as BIREME and SCIELO, have been used to analyze the main focus of the issue that involves the criteria for the importance of magnetic resonance as a diagnostic method. With the result of the research it was possible to conclude that the role of imaging diagnosis in the investigation of EM is very important, since only with clinical research it is not possible to be sure of this pathology showing, then, as an important auxiliary tool to detect the early and advanced stages of the disease, allowing the visualization of the images and processes inherent to the pathology in question.Descriptors: Magnetic Resonance Imaging, Multiple Sclerosis, Diagnosis.

Diagnóstico de la esclerosis múltiple por resonancia magnéticaResumen: Este estudio pretende presentar las características, particularidades y variadas aplicaciones de la resonancia magnética en el diagnóstico de la esclerosis múltiple (EM), presentando sus ventajas y desventajas en el diagnóstico diferencial de estos afectos. Está delineado por la propuesta de una investigación basada en los supuestos de la revisión bibliográfica. Así, se han utilizado estudios publicados en revistas nacionales e internacionales, indexados en bases de datos como BIREME y SCIELO, para analizar el enfoque principal del tema que involucra los criterios de la importancia de la resonancia magnética como método de diagnóstico. Con el resultado de la investigación fue posible concluir que el papel del diagnóstico por imágenes en la investigación del EM es muy importante, puesto que solamente con la investigación clínica no es posible estar seguro de esta patología monstrándose, entonces, como una importante herramienta auxiliar para detectar las etapas tempranas y avanzadas de la enfermedad, permitiendo la visualización de las imágenes y procesos inherentes a la patología en cuestión.Descriptores: Imagen de Resonancia Magnética, Esclerosis Múltiple, Diagnóstico.

Texto completo:

PDF

Referências

Carvalho FR, Pinto MH. A pessoa hipertensa vítima de acidente vascular encefálico. Rev Enferm UERJ. 2007; 15(3):349-355.

Silva DF, Nascimento VMS. Esclerose múltipla: imunopatologia, diagnóstico e tratamento: artigo de revisão. Aracajú: Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente. 2014; 2(3):81-90.

Silva DB, Magnata SSLP. A contribuição da ressonância magnética no diagnóstico e tratamento da esclerose múltipla. 2016. Recife: Centro de Capacitação Educacional.

Freitas JOF, Aguiar CRRA. Avaliação das funções cognitivas de atenção, memória e percepção em pacientes com esclerose múltipla. Porto Alegre: Psicol Reflex Crit. 2012; 25(3).

Negreiros MA, Landeira-Fernandez J, et al. Alterações cognitivas em indivíduos brasileiros com esclerose múltipla surto-remissão. Rio de Janeiro: J Bras Psiquiatr. 2011; 60(4).

Crovador LF, Oliveira-Cardoso EA, et al. Qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com esclerose múltipla antes do transplante de células-tronco hematopoéticas. Porto Alegre: Psicol Reflex Crit. 2013; 26(1).

Mendes MF, Tilbery CP, BalsimellI S, Felipe E, et al. Fatigue in multiple sclerosis relapsing-remitting form. Arch Neuropsych. 2000; 58:471-475.

Cardoso FAG. Atuação fisioterapêutica na esclerose múltipla forma recorrente. Rev Movimenta. 2010; 3(2):69-75.

Racke M. Fatigue in multiple sclerosis. Arch Neurol. 2001; 58:105-111.

Bertotti AP, Lenzi MCR, Portes JRM. O portador de Esclerose Múltipla e suas formas de enfrentamento frente à doença. Santa Cruz do Sul: Barbaroi. 2011; 34:101-124.

Almeida LHRB, Rocha FC, Nascimento FCL, Campelo LM. Ensinando e aprendendo com portadores de esclerose múltipla: relato de experiência. Rev Bras Enferm. 2007; 60(4):460-463.

Lundy-Eckman L. Neurociência-fundamentos para a reabilitação. 1ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2000.

Silva FAM, Sandrin CCE. Tratamento de esclerose múltipla com ênfase na utilização de beta interferona. 2015. Disponível em: . Acesso em 13 set 2018.

Academia Brasileira de Neurologia. Departamento Científico de Neuroimunologia. Diretrizes para o tratamento da esclerose múltipla com drogas imunomoduladoras. Arq Neuropsiquiatr. 2005; 63(3-B):892-895.

Minguetti G. Ressonância magnética na esclerose múltipla: análise de 270 casos. Arq Neuropsiquiatr. 2001; 59(3):563-569.

Coutinho RS. Diagnóstico da esclerose múltipla por ressonância magnética. 2013. Disponível em: . Acesso em 15 set 2018.

Figueira F. O papel da imagem por ressonância magnética no diagnóstico e seguimento da esclerose múltipla. 2014. Disponível em: . Acesso em 15 set 2018.

Jhanardan V, Bakshi R. Quality of life and its relationship to brain lesions and atrophy on magnetic resonance images in 60 patients with multiple sclerosis. Archive Neurology. 2000; 57:1485-1491.

Tilbery CP, Mendes MF, Thomaz RB, Oliveira BES, et al. Padronização da multiple sclerosis functional composite measure (MSFC) na população brasileira. Arq Neuropsiquiatria. 2005; 63(1):127-132.

Costa CCR, Fonteles JL, Praça LR, Andrade AC. O adoecimento do portador de esclerose múltipla: percepções e vivências a partir da narrativa de dois casos clínicos. RBPS. 2005; 18(3):117-124.

Silva EG, Castro PF. Percepção do paciente portador de esclerose múltipla sobre o diagnóstico e tratamento. Mudanças - Psicologia da Saúde. 2011; 19(1-2):79-88.

Achiron A, Barak Y. Multiple sclerosis - from probable to definite diagnosis. Arch Neurol. 2000; 57(7):974-979.

SIEMENS. Medical Solutions. Ressonância magnética. 2008. Disponível em: . Acesso em 14 set 2018.

Amaro Junior E, Yamashita H. Aspectos básicos de tomografia computadorizada e ressonância magnética. Rev Bras Psiquiatria. 2001; 23(supl.1):2-3.

Souza LCB. Ressonância magnética. 2008. Disponível em: . Acesso em 13 set 2018.

Jack P, Antel M. Multiple Sclerosis. Neurologic Clinics. Guest Editor. 1995; 13(1).


Visualizações do PDF:

20 views


Visualizações do Resumo:

35 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2016 Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Científicos em Saúde. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud