A PERCEPÇÃO DA MULHER SOBRE A GESTAÇÃO NO AMBIENTE PRISIONAL

WOMEN'S PERCEPTION OF PREGNANCY IN THE PRISON ENVIRONMENT

Autores

  • Victória Regina de Lázaro Alves Carretero vic_simonato@hotmail.com
    Universidade Anhembi Morumbi
  • Luiza Ferreira Santana Luz izaluzsantana@hotmail.com
    Universidade Anhembi Morumbi
  • Thais Bruna Kirch Ferreira thais.b.kirch@gmail.com
    Universidade Anhembi Morumbi
  • Mayara Ferreira da Cruz maya_rodrigues15@hotmail.com
    Universidade Anhembi Morumbi
  • Janize Silva Maia janizecs@yahoo.com.br
    Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

10.24281/rremecs2021.6.11.39-49

Palavras-chave:

Maternidade do Sistema Penitenciário, Gestação Atrás das Grades, Gestantes Presidiárias, Vulnerabilidade das Mães Encarceradas

Resumo

O sistema prisional é reconhecido pela precariedade ambiental e pela situação de vulnerabilidade da população carcerária, incluindo as gestantes, ao contágio de doenças, transformando as mudanças biopsicossociais decorrentes da gestação em eventos negativos. Descrever a percepção das mulheres sobre a gestação no ambiente prisional. Estudo exploratório, qualitativo de análise dos relatos de documentários publicados na plataforma YouTube produzidos nos últimos cinco anos. As percepções predominantes das gestantes privadas de liberdade se expressam por meio da angústia e medo da futura separação do seu filho; da incerteza do futuro da criança; do sentimento de abandono e solidão por parte familiar; da culpa relacionada ao processo de gestar em um ambiente insalubre. A gestante privada de liberdade no Brasil está inserida em um ambiente de oferta precária à saúde, perpetuando a fragmentação do cuidado e limitando a qualidade da assistência.

Biografia do Autor

Victória Regina de Lázaro Alves Carretero, Universidade Anhembi Morumbi

Acadêmica de Enfermagem da Universidade Anhembi Morumbi.

Luiza Ferreira Santana Luz, Universidade Anhembi Morumbi

Acadêmica de Enfermagem da Universidade Anhembi Morumbi.

Thais Bruna Kirch Ferreira, Universidade Anhembi Morumbi

Acadêmica de Enfermagem da Universidade Anhembi Morumbi.

Mayara Ferreira da Cruz, Universidade Anhembi Morumbi

Acadêmica de Enfermagem da Universidade Anhembi Morumbi.

Janize Silva Maia, Universidade Anhembi Morumbi

Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde. Docente do curso de enfermagem da Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

Souza GC, Cabral KDS, Leite-Salgueiro CDB. Reflexões sobre a assistência em enfermagem à mulher encarcerada: um estudo de revisão integrativa. Arq Cienc Saúde UNIPAR. 2018; 22(1):55-62.

Chaves LH, Araújo ICA. Gestação e maternidade em cárcere: cuidados de saúde a partir do olhar de mulheres presas em uma unidade materno-infantil. Physis. 2020; 30(1):300122.

Brasil. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Depen lança Infopen com dados de dezembro de 2019. Disponível em: <https://www.gov.br/depen/pt-br>. Acesso em 30 set 2021.

Brasil. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Infopen mulheres junho 2017. Disponível em: <http://antigo.depen.gov.br/DEPEN>. Acesso em 30 set 2021.

Manhone LA, Bragato LM, Donatell SM, Canal FD. Maternidade e ambiente prisional: as implicações de estar presa e ser mãe. Rev Dimensão Acadêmica. 2020; 5(1):6-25.

Matos KKC, Silva SPC, Lima JKS. Representações de mulheres encarceradas sobre gestar na prisão. Rev Enferm. UFPE Online. 2018; 12(11):3069-77.

Moreira CJ, Daher DV, Faria MGA, Paula HC, Amim E. Gestantes privadas de liberdade: o desafio da assistência ao pré-natal. Rev Nursing. 2019; 22(249):2644-49.

Andrade ABCA, Gonçalves MJF. Maternidade em regime prisional: desfechos maternos e neonatais. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(16):1763-1771.

Marques KAM, Viana BAS, Scabello ALM. Pesquisa qualitativa e geografia: uma apreciação metodológica. Geografia: Publicações Avulsas. Universidade Federal do Piauí, Teresina. 2020; 2(2):227-244.

Carita IGCS. Estratégia de marketing digital para implementar uma marca de refrigerantes para o target jovem: caso Blue. [Dissertação]. Lisboa: ISCTE-IUL. 2019. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10071/19182>. Acesso em 10 nov 2021.

Alves GS. Maternidade e ambiente prisional: o documentário C(elas) e a ala materno-infantil da Penitenciária Feminina de Cariacica (PFC/ES). ARACÊ. Direitos Humanos em Revista. 2018; 5(6):46-60.

Silva JM, Santos CEF, Grespan JF, Pereira IM, Bruno JNS. A percepção do puerpério atrás das grades. Glob Acad Nurs. 2021; 2(1):e69.

Matos KK, Silva SPC, Nascimento EA. Filhos do cárcere: representações sociais de mulheres sobre parir na prisão. Interface (Botucatu). 2019; 23(e180028):1.

Carvalho OF, Jardilino JRL. A invisibilidade da mulher no sistema prisional brasileiro: esquecidas no tempo e no espaço. Rev Educação Políticas Debate. 2019; 6(2):236-254.

Brasília. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Bangkok: regras das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras. Série tratados internacionais de direitos humanos. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/poder-judiciario/relacoes-internacionais/tratados/>. Acesso em 10 nov 2021.

Lima LR, Oliveira AS. Direito penal mínimo e a aplicação das regras de Bangkok em face do encarceramento de mulheres. Rev Jurídica Direito, Sociedade Justiça. 2018; 5(7):1-5.

Fochi MCS, Higa R, Camisão AR, Turato ER, Lopes MHBM. Vivências de gestantes em situação de prisão. Rev Eletr Enferm. 2017; 19(2017):1-10.

Leal MC, Ayres BVS, Pereira APE, Sánchez AR, Larouzé B. Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2016; 21(07):2061-70.

Diuana V, Ventura M, Simas L, Larouzé B, Correa M. Direitos reprodutivos das mulheres no sistema penitenciário: tensões e desafios na transformação da realidade. Ciênc Saúde Colet. 2016; 21(07):2041-50.

Chaves LH, Araújo ICA. Gestação e maternidade em cárcere: cuidados de saúde a partir do olhar das mulheres presas em uma unidade materno-infantil. Physis Rev Saúde Coletiva. 2020; 30(01):1-22.

Graça BC, Mariano MM, Gusmão MAJX, Cabral JF, Nascimento VF, Gleriano JS, et al. Dificuldades das Mulheres Privadas de Liberdade no Acesso ao Serviços de Saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2018; 31(2):1-9.

Lopes TC, Pinheiro R. Trajetórias de mulheres privadas de liberdade: práticas de cuidado no reconhecimento do direito à saúde no Centro de Referência de Gestantes de Minas Gerais. Physis Rev Saúde Coletiva. 2016; 26(4):1193-1212.

Martins AASS, Marinho AS, Silva TI, Holanda KYF, Moura MBS, Perreira BRFS, et al. Assistência Prestada no Ciclo Gravídico Puerperal de Presidiárias. Brazilian Journal Health Review. 2021; 4(5):22473-22480.

Dalenogare G. Deixa eu te contar histórias que a história não conta: mulheres e prisões, a vivência da maternidade no cárcere [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2019. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/handle/10183/220595>. Acesso em 30 out 2021.

Publicado

30-12-2021
Métricas
  • Visualizações 0
  • PDF downloads: 0

Edição

Seção

Artigos