O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA COM O AUXÍLIO DA TECNOLOGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

COPING WITH DOMESTIC VIOLENCE WITH THE HELP OF TECHNOLOGY - AN EXPERIENCE REPORT

Autores

  • Fernanda Pereira e Sousa fehbcc@gmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências
  • Flávia Di Girolamo Cortegosso flaviacortegosso@gmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências da Saúde
  • Giovana Silva de Moraes Navarro giovanamonavarro@gmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências da Saúde
  • Isabella Cristina Cardoso Santos isabellaa.cristinaas@gmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências da Saúde
  • Luiza Vieira Campos lvieirac@hotmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências
  • Maria Isabel Manzano Cazari mariaisabelcazari@gmail.com
    Faculdade de Educação de Ciências da Saúde
  • Janize Silva Maia janizecs@yahoo.com.br
    Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

DOI:

10.24281/rremecs2021.6.11.12-18

Palavras-chave:

Tecnologia Biomédica, Violência Contra a Mulher, Violência Doméstica

Resumo

A violência, fenômeno social e histórico de conceituação complexa, envolve manifestações de natureza diversa interligadas às estruturas sociais, econômicas, políticas, culturais e comportamentais. A cada ano estima-se que cerca de uma mulher é espancada a cada 15 segundos no Brasil. A tecnologia a de informação pode ser útil tanto na parte de gestão, quanto na revolução de campanhas que estimulam a promoção e prevenção da saúde. Criar um perfil numa plataforma digital sobre violência contra a mulher fornecendo publicações referentes à violência e suas diferentes formas. Relato de experiência baseado na metodologia Problem Based Learnig. A plataforma digital elaborada permitiu, em dois meses, o alcance de 36 pessoas, para assim disseminar informações corretas e fidedignas sobre a violência doméstica, os riscos que ela traz e as formas existentes de denúncia e de apoio, contribuindo para o aumento do número de denúncias e diminuição do número de mulheres agredidas ou até mesmo mortas por seus agressores. As redes sociais podem representar um ágil, eficaz e preciso meio de comunicação com a população, sobretudo mulheres, fornecendo o esclarecimento e dúvidas, portanto, faz-se necessário o estímulo do perfil para a ampliação da rede.

Biografia do Autor

Fernanda Pereira e Sousa, Faculdade de Educação de Ciências

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Flávia Di Girolamo Cortegosso, Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Giovana Silva de Moraes Navarro, Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Isabella Cristina Cardoso Santos, Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Luiza Vieira Campos, Faculdade de Educação de Ciências

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Maria Isabel Manzano Cazari, Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Janize Silva Maia, Faculdade de Educação de Ciências da Saúde

Doutora em Ciências da Saúde. Mestre em Educação. Especialista em Enfermagem em Ginecologia e Obstetrícia. Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Educação de Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

Gedrat DC, Silveira EF, Almeida Neto HÁ. Perfil dos parceiros íntimos de violência doméstica: uma expressão da questão social brasileira. Servic Soc Soc. 2020; 138:342-58.

Brasil. Ministério da Mulher, da Família, dos Direitos Humanos. Violência contra mulher não é só física: conheça outros 10 tipos de abuso. 2016. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/noticias-spm/noticias/violencia-contra-mulher-nao-e-so-fisica-conheca-outros-10-tipos-de-abuso>. Acesso em 04 mar 2021.

Cruz MS, Irffi G. Qual o efeito da violência contra a mulher brasileira na autopercepção da saúde? Ciênc Saúde Colet. 2019; 24(7).

Martins JC. Determinantes da violência doméstica contra a mulher no Brasil, 2017, Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) - Universidade Federal de Viçosa. 2017.

Gava Marília, Ferreira LS, Palhares D, Mota ELA. Incorporação da tecnologia da informação na Atenção Básica do SUS no Nordeste do Brasil: expectativas e experiências. Ciência Saúde Colet. 2016; 21(3):891-902.

Guimarães LP, Estigarribia MIC. O método pbl-problem basic learning–questões práticas na produção acadêmica. Anais do VII Congresso Nacional de Educação. 2020. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2020/TRABALHO_EV140_MD4_SA2_ID1290_02082020171245.pdf>. Acesso em 16 mar 2021.

Oliveira QB, Santos AF, Nascimento IO, Lopes NC, Felipin KP. Uso da plataforma digital instagram como ferramenta de disseminação informativa sobre enteropatógenos e educação em saúde. II Mostra de Inovação e Tecnologia São Lucas. 2021; 1(2). Disponível em: <http://periodicos.saolucas.edu.br/index.php/mit/article/view/721>. Acesso em 19 mar 2021.

Souza RT, et al. Uso do instagram como ferramenta de disseminação do conhecimento: síndrome metabólica e educação em saúde. Mostra de Inovação e Tecnologia São Lucas, n. 1, 2020. Disponível em: <http://inotec.saolucas.edu.br/index.php/mit/article/download/238/252>. Acesso em 19 mai 2021.

Guimarães MC, Pedroza RLS. Violência contra a mulher: problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Brasília: Psicologia Sociedade. 2015; 27(2).

Einhard A, Sampaio SS. Violência doméstica contra a mulher – com a fala, eles, os homens autores da violência. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n°138, Maio/Agos 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282020000200359&lang=en>. Acesso em 04 abr 2021.

Oliveira MT, Ferigato SH. A atenção às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: a construção de tecnologias de cuidado da terapia ocupacional na atenção básica em saúde. Cad Bras Terapia Ocupacional. 2019; 27(3):508-21.

Nascimento VF, Rosa T, Terças ACP, Hattori TY. Desafios no atendimento à casos de violência doméstica contra a mulher em um município matogrossense. Umuarama: Arq Cienc Saúde UNIPAR. 2019; 23(1):15-22.

Silva LEL, Oliveira MLC. Violência contra a mulher: revisão sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciênc Saúde Colet. 2015; 20(11).

Pinochet LHC, Lopes AS, Silva JS. Inovações e tendências aplicadas nas tecnologias de informação e comunicação na gestão da saúde. Rev Gestão Sistemas Saúde - RGSS. 2014; 3(2).

Publicado

30-12-2021
Métricas
  • Visualizações 0
  • PDF downloads: 0

Edição

Seção

Artigos