CUSTOS DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA PANDEMIA DE COVID-19

Autores

  • Karen Aline Batista da Silva karen.batista@unesp.br
  • Telma Aparecida de Camargo t.camargo@unesp.br
  • Karina Alexandra Batista da Silva Freitas k.freitas@unesp.br
  • Lis Amanda Ramos Toso lis.toso@unesp.br
  • Ana Lúcia Gregório ana.gregorio@unesp.br
  • Patrícia Maria Moratelli Giuliani pmmoratelli@gamil.com

Palavras-chave:

Custos Hospitalares, Infecções por Coronavírus, Equipamento de Proteção Individual

Resumo

A COVID-19 é causada pelo Coronavírus e transmitida por contato próximo, gotículas e aerossóis. Para minimizar o risco de transmissão, profissionais de saúde devem fazer uso de equipamentos de proteção individual (EPI), como máscaras ou respiradores, aventais e luvas. Objetivo: analisar o custo de aquisição de EPI antes e durante a pandemia. Material e Método: Estudo retrospectivo,  de  abordagem  quantitativa,  compreendendo  os  meses  de  janeiro/fevereiro  de 2020 (antes da pandemia COVID-19) e março/abril de 2020 (durante a pandemia COVID-19), em um hospital público de nível quaternário. Realizado avaliação do custo de aquisição dos insumos considerados EPI, agrupados em: máscara cirúrgica tripla e respirador N95 / PFF2, luvas descartáveis de procedimentos (não estéreis) e aventais descartáveis. Os dados referentes à quantidade de itens adquiridos, com seus respectivos valores, antes e durante a pandemia foram extraídos dos sistemas de compras e dispensação de estoque e compilados em planilha Excel®. Resultados e Discussão: Realizando comparação entre os períodos estudados a aquisição de máscara cirúrgica tripla sofreu um grande impacto aumentando de R$0,09 R$2,60 a unidade, uma elevação de 2.888% no custo. Houve um aumento de 331% no respirador N95/PFF2, passando de R$1,45 para R$ 4,80. Os custos relacionados à aquisição de aventais também foram elevados, passando de R$ 1,70/unidade para R$ 6,70/unidade, um  aumento  de  394%.  Dos  EPI utilizados, o avental foi o insumo  mais  difícil de adquirir devido escassez no mercado fornecedor. O custo com luvas de procedimento (não estéreis) aumentaram 414%, passando de R$0,17/unidade para R$0,58/unidade. Considerando a média diária de insumos distribuídos, os valores atuais do mercado de produtos e a mudança das atividades assistenciais, houve um aumento de 525% no custo total com EPI durante os meses de março e abril, início da pandemia, passando de R$ 162.348,30/mês para R$ 852.438,00/mês. Uma das causas do aumento exagerado nos preços é a escassez de EPI no mercado devido ao grande produtor mundial, a China, ser o epicentro da doença. Ainda há muitas dúvidas e debates em torno das medidas a serem tomadas pelos governantes a fim de minimizar o impacto econômico provocado pela pandemia. Independentemente da duração da pandemia, os efeitos prejudiciais à economia terão magnitudes comparadas  às  maiores  crises  econômicas do mundo moderno, devido paralisação e desabastecimento das cadeias produtivas. Conclusão: O uso de EPI pela equipe assistencial auxilia na prevenção da disseminação da COVID-19. Diante isso, houve um aumento substancial no uso desses equipamentos, causando um impacto orçamentário significativo durante a pandemia. Implicações para a Enfermagem: o enfermeiro exerce forte influência no controle e utilização de recursos materiais, principalmente durante a pandemia.

Publicado

09-12-2021
Métricas
  • Visualizações 0
  • PDF downloads: 0

Como Citar

BATISTA DA SILVA, K. A. .; CAMARGO, T. A. de; BATISTA DA SILVA FREITAS, K. A. .; RAMOS TOSO, L. A. .; GREGÓRIO, A. L. .; MORATELLI GIULIANI, P. M. . CUSTOS DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA PANDEMIA DE COVID-19. Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Cientí­ficos em Saúde, [S. l.], p. 24, 2021. Disponível em: http://revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/676. Acesso em: 6 jul. 2022.