Violência contra as mulheres no rio de janeiro: estudo ecológico

Autores

DOI:

10.24281/rremecs2024.9.15.4354

Palavras-chave:

Violência Contra a Mulher, Epidemiologia Descritiva, Enquadramento Interseccional, Racismo

Resumo

Analisar o perfil epidemiológico das mulheres em idade reprodutiva vítimas de violências física, psicológica/moral e sexual no estado do Rio de Janeiro no período de 2017 a 2021 segundo as variáveis demográficas, educacionais, etárias e étnico-raciais. Estudo ecológico que utilizou como base de dados a plataforma TABNET - DATASUS, suprido pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação. A análise dos dados foi feita de forma descritiva com cálculos de incidência e porcentagem. Mulheres negras, na faixa etária de 20 a 39 anos, com baixo nível de escolaridade, são mais acometidas por violência física, psicológica/moral e sexual no estado do Rio de Janeiro. Faz-se necessário o reconhecimento da violência contra a mulher como um problema social de fato, visando mudança na perspectiva popular. A educação permanente dos profissionais é essencial para promoção da atenção à saúde da mulher vítima de violência.

Descritores: Violência Contra a Mulher, Epidemiologia Descritiva, Enquadramento Interseccional, Racismo.

 

Violence against women in rio de janeiro: ecological study

Abstract: To analyze the epidemiological profile of women of reproductive age who were victims of physical, psychological/moral and sexual violence in the state of Rio de Janeiro from 2017 to 2021 according to demographic, educational, age and ethnic-racial variables. Ecological study that used the TABNET - DATASUS platform as a database, supplied by the Notifiable Diseases Information System. Data analysis was performed descriptively with incidence and percentage calculations. Black women, aged 20 to 39 years, with a low level of education, are more affected by physical, psychological/moral and sexual violence in the state of Rio de Janeiro. It is necessary to recognize violence against women as a real social problem, aiming to change the popular perspective. Continuing education for professionals is essential for promoting health care for women who are victims of violence.

Descriptors: Violence Against Women, Descriptive Epidemiology, Intersectional Framework, Racism.

 

Violencia contra las mujeres en río de janeiro: estudio ecológico

Resumen: Analizar el perfil epidemiológico de las mujeres en edad reproductiva víctimas de violencia física, psicológica/moral y sexual en el estado de Río de Janeiro de 2017 a 2021 según variables demográficas, educativas, etarias y étnico-raciales. Estudio ecológico que utilizó como base de datos la plataforma TABNET - DATASUS, suministrada por el Sistema de Información de Enfermedades de Declaración Obligatoria. El análisis de los datos se realizó de forma descriptiva con cálculos de incidencia y porcentaje. Las mujeres negras, de 20 a 39 años, con bajo nivel de escolaridad, son más afectadas por la violencia física, psicológica/moral y sexual en el estado de Río de Janeiro. Es necesario reconocer la violencia contra las mujeres como un problema social real, con el objetivo de cambiar la perspectiva popular. La educación continua de los profesionales es fundamental para promover la atención de la salud de las mujeres víctimas de violencia.

Descriptores: Violencia Contra la Mujer, Epidemiología Descriptiva, Marco Interseccional, Racismo.

Referências

World Health Organization (WHO). World report on violence and health. Geneva: WHO; 2002. Disponível em: <https://www.who.int/publications/i/item/9241545615>. Acesso em 03 nov 2023.

D’avila C. Como a violência passou a ser vista como um problema de saúde pública após a redemocratização (Artigo). In: Café História. Publicado em 31 maio de 2021. Disponível em: <https://www.cafehistoria.com.br/a-violencia-como-questao-de-saude-publica/>. Acesso em 06 dez 2023.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. 1ª Ed. Série B. Textos Básicos de Saúde, Brasília, DF, 2005. 340p. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/impacto_violencia.pdf>. Acesso em 05 mai 2023.

Maranhão RA. A violência doméstica durante a quarentena da COVID-19: entre romances, feminicídios e prevenção. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba. 2020; 3(2):3197-3211.

Lima LAA, et al. Marcos e dispositivos legais no combate à violência contra a mulher no Brasil. Referência-Rev Enferm. 2016; 4(11).

Brasil. Sistema de Informação de Agravos (SINAN). Violência Interpessoal/Autoprovocada. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Coordenação Geral de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília, DF, 2016. Disponível em: <http://portalsinan.saude.gov.br/violencia-interpessoal-autoprovocada>. Acesso em 25 mar 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Ciência e Tecnologia. Brasília, DF, 2018. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_prioridades_pesquisa_ms.pdf>. Acesso em 06 dez 2023.

Brasil. Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente. Saúde da População Negra. Boletim Epidemiológico Vol 1. Brasília, DF, 2023. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/especiais/2023/boletim-epidemiologico-saude-da-populacao-negra-numero-especial-vol-1-out.2023>. Acesso em 06 dez 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Brasília, DF. 2004. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf>. Acesso em 06 dez 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF. Dezembro, 2012. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html>. Acesso em 01 fev 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Brasília, DF. Abril, 2016. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html>. Acesso em 01 fev 2023.

Sousa CMS et al. Incompletude do preenchimento das notificações compulsórias de violência-Brasil, 2011-2014. Cadernos Saúde Coletiva. 2020; 28:477-487.

Veloso MMX et al. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18:1263-1272, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/PkkYLHmypSBjMW6YSvMqKKg/?lang=pt. Acesso em 17 mar 2023.

Passos AIM, Gomes DAY, Gonçalves CLD. Perfil do atendimento de vítimas de violência sexual em Campinas. Rev Bioética. Brasília. 2018.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Em 2022, analfabetismo cai, mas continua mais alto entre idosos, pretos e pardos e no Nordeste. Estatísticas Sociais, 2023. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/37089-em-2022-analfabetismo-cai-mas-continua-mais-alto-entre-idosos-pretos-e-pardos-e-no-nordeste#:~:text=Entre%20as%20pessoas%20pretas%20ou,chegava%20a%2023%2C3%25>. Acesso em 06 jun 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. 3ª Ed. Brasília, DF. 2017. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacao_negra_3d.pdf>. Acesso em 15 jul 2023.

Hirata H. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social. 2014; 26:61-73.

Silva RA, Araújo JM. A interseccionalidade na produção científica brasileira. Rev Pesquisas e Práticas Psicossociais. 2020; 15(4):1-16.

Almeida S. Racismo estrutural. Feminismos Plurais/Coordenação de Djamila Ribeiro. Pólen Produção Editorial LTDA. 2019.

García S. A Década Afro-descendente com uma perspectiva de gênero. Geopauta. 2020; 4(3):24-32.

Nascimento KC, Delgado FA, Barbosa MSA, Lima RCB, Lima TNB, Gomes BMR. Mulheres negras e o racismo à luz da mandala dos saberes. São Paulo: Rev Remecs. 2023; 8(14):12-20.

Moura VCS, Anjos CSN, Silva EAJ, Campos FF, Silva LR. Saúde da População Negra: aquilombamento necessário no Rio de Janeiro. Rev Praia Vermelha. 2022; 32(2):491-509.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF, 13 jul. 1990. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em 01 jun 2023.

Brasil. Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Direitos Sexuais São Direitos Humanos: Coletânea de Textos - Caderno Temático Nº 3. 1ª edição. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <https://cmdca.salvador.ba.gov.br/wp-content/uploads/2022/08/Caderno_Temtico_2017_Final-1.pdf#page=23>. Acesso em 15 jun 2023.

Ferreira PC et al. Caracterização dos casos de violência contra mulheres. Rev Enferm UFPE online. 2020; [1-6].

Acosta DF, Gomes VLO, Barlem ELD. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Acta Paul Enferm. 2013; 26:547-553, 2013.

Cunha T, Alves AE. Educação e violência nas relações de gênero: reflexos na família, no casamento e na mulher. Em Aberto. 2014; 27(92).

United Nations. Policy brief: the impact of covid-19 on women. New York: UN Women, 9 abr. 2020. Disponível em: <https://www.un.org/sexualviolenceinconflict/wp-content/uploads/2020/06/report/policy-brief-the-impact-of-covid-19-on-women/policy-brief-the-impact-of-covid-19-on-women-en-1.pdf>. Acesso em 06 dez 2023.

Machado DF, et al. Violência contra a mulher: o que acontece quando a Delegacia de Defesa da Mulher está fechada? Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2020; 25(2):483-494.

Marques ES, et al. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela covid-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2020; 36(4):e00074420.

Puri M, Frost M, Tamang J, Lamichhane P, Shah I. The prevalence and determinants of sexual violence against young married women by husbands in rural Nepal. BMC. 2012; 5:291.

Dutra ML, Prates PL, Nakamura E, Villela WV. A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica. Ciência Saúde Coletiva. 2013; 18(5):1293-304.

Costa MC et al. Mulheres rurais e situações de violência: fatores que limitam o acesso e a acessibilidade à rede de atenção à saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2017; 38.

Brasil. Presidência da República. Lei Maria da Penha. Lei nº. 11.340, de 7 de agosto de 2006.

Brasil. Presidência da República. Lei no.13.104, de 09 de março de 2015. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm>. Acesso em 07 dez 2023.

Mascarenhas MDM et al. Análise das notificações de violência por parceiro íntimo contra mulheres, Brasil, 2011–2017. Rev Bras Epidemiologia. 2020; 23: 1-13.

Publicado

21-02-2024
Métricas
  • Visualizações 0
  • pdf downloads: 0

Como Citar

DUARTE, W. da S. .; SANTOS, M. da S. S. dos .; PINTO, C. M. I. .; SANTOS, R. G. S. dos .; GOMES, A. L. M. .; MOURA, V. C. da S. . Violência contra as mulheres no rio de janeiro: estudo ecológico. Revista Remecs - Revista Multidisciplinar de Estudos Cientí­ficos em Saúde, [S. l.], v. 9, n. 15, p. 43–54, 2024. DOI: 10.24281/rremecs2024.9.15.4354. Disponível em: http://revistaremecs.com.br/index.php/remecs/article/view/1535. Acesso em: 22 abr. 2024.